Família On – Desenvolvimento do bebê: O que esperar do primeiro ano de vida

 

 

Entenda como acontece o desenvolvimento do seu bebê nos primeiros doze meses e como você pode contribuir com ele!

Podemos começar enfatizando que ‘crescimento’ e ‘desenvolvimento’ são dois processos distintos que acontecem de forma interligada; por esse motivo pediatras não somente medem e pesam o bebê, mas também perguntam aos pais sobre o desenvolvimento dele no dia a dia – seus movimentos, habilidade para segurar objetos, desenvolvimento da comunicação, contato visual, vocalizações etc.

Cada bebê tem seu próprio ritmo de desenvolvimento, porém existem alguns padrões que indicam quais marcos de desenvolvimento podemos esperar para cada idade.

0-2 meses

Vamos começar do início. Quando o bebê nasce, ainda podemos ver a flexão fisiológica do período em que ele esteve no útero. Nesta fase, os movimentos do bebê são espontâneos, envolvem todo o corpo e são uma continuação dos movimentos no ventre. Conduzidos por reações primárias, a visão dele ainda não está totalmente desenvolvida mas ele pode ver cores fortes e contrastantes. Por isso, brinquedos em preto e branco e com formas bem definidas são a melhor opção para este momento.

2-4 meses

A partir dos 2 meses o controle da cabeça melhora e o bebê já consegue levantá-la até certo ponto. Nesta fase, ele já foca o olhar e sorri intencionalmente em resposta à estímulos. Deite-se de bruços, coloque o bebê de costas e mostre-lhe um brinquedo, posicione delicadamente um brinquedo em cada uma das mãozinhas e veja como o bebê é capaz de segurá-los durante alguns segundos.

4-6 meses

À medida em que o bebê cresce e se desenvolve, seus músculos grandes ficam mais fortes e permitem que ele comece a estender a mão e os pés para interagir com objetos. Estas tentativas iniciais não serão muito precisas, mas o bebê continuará praticando essas habilidades e, eventualmente, irá dominá-las.

Esta é uma das maneiras do bebê aprender causa e efeito, bem como o controle sobre seu ambiente.

Neste ponto, acontece também o rolamento não intencional; a cabeça do bebê é pesada e quando ele se a vira o resto do corpo segue o movimento, resultando em um rolamento não intencional. Muitas vezes, esse movimento inesperado é acompanhado por surpresa ou choro, mas com o passar do tempo o bebê vai intencionalmente iniciar esta ação.

Deitado de costas o bebê já exercita os músculos da barriga ao levantar seus pés e empurrar o queixo para baixo. Pendure brinquedos em vários pontos e veja-o esticar braços e mãos em diferentes direções, fortalecendo diferentes músculos.

 

 

6-8 meses

Por volta dos 6 meses o bebê gira em torno de si de forma intencional, a força nos músculos dos braços e do peito lhe permitem levantar o seu peso sobre os braços esticados. Ele agora pode tocar e segurar objetos com maior precisão, mesmo deitados de costas ou de bruços.

Coloque um brinquedo em diferentes ângulos para encorajá-lo a virar a cabeça e olhar naquela direção.

Por volta desse período é possível também ver as primeiras tentativas de engatinhar, que inicialmente podem levar o bebê a “andar de ré”, enquanto se apoia no peito. Como em todo processo de aprendizagem motora, o começo pode ser desafiador e desajeitado, mas a prática, a oferta de um ambiente aberto e convidativo, o posicionamento de brinquedos um pouco fora do alcance, brinquedos que incentivem a permanência nesta posição e abundância de carinhosos incentivos darão suporte à essa conquista.

Sempre perto e sempre atento, lembre-se que o bebê está conhecendo um mundo novo e à procura de sua aprovação e orientação.

8- 10 meses

Por volta dos 8 meses os músculos são fortes o suficiente para o bebê apoiar-se nos braços e pernas, balançar-se para trás e para frente é uma maneira muito natural de praticar e preparar-se para engatinhar e levantar-se, o que acontecerá em breve. Este movimento de balanço estimula os sentidos vestibulares (sensações do corpo) e ajuda a comprimir os ossos e articulações dos membros.

Ocasionalmente podem acontecer algumas tentativas de se sentar, por isso o posicionamento de brinquedos em locais onde o bebê poderá somente alcançá-los depois que estiver sentado é um bom incentivo. Agora, ele está forte o suficiente para endireitar as costas, manter o equilíbrio, apoiar-se para não cair para a frente e mais tarde também será capaz de evitar a queda. Tenha isso em mente ao criar um local de brincadeiras seguro para essa aprendizagem, prestando atenção extra nas costas e laterais.

Sentar-se sozinho auxilia também no desenvolvimento das habilidades vocais e cria um campo de visão que libera as mãos para brincadeiras mais sofisticadas. Os músculos das costas e dos ombros são fortes o suficiente para estabilizar o corpo e as mãos e os dedos são fortes o suficiente para brincar de forma mais avançada – alcançar, segurar e soltar intencionalmente, puxar, girar e tocar com as duas mãos.

Incentive o desenvolvimento do seu bebê com jogos de causa e efeito, colocando coisas dentro e fora de um recipiente, brincando juntos de rolar uma bola e lembre-se de levantar os brinquedos ao nível do ombro do bebê para estimular a posição ereta das costas.

10-12 meses

A partir de uma posição sentada firme, o bebê passa a rastejar e engatinhar. O desenvolvimento é dinâmico e ocorre simultaneamente de forma natural. Nessa fase podemos notar, também, o bebê se erguendo e apoiando em superfícies firmes como móveis, brinquedos, etc.

No início, o bebê vai se levantar desajeitadamente, mas quanto mais ele pratica, melhor se torna a sua firmeza nos membros inferiores. Manter-se em pé é um desenvolvimento motor que dá aos pés um novo, importante e permanente papel:  carregar o peso de todo o corpo. Esta posição abre um novo campo de visão e apresenta novos desafios motores sendo, naturalmente, o ponto de partida para começar a caminhar.

Depois que o bebê sente-se confiante em pé, vai começar a andar se apoiando em móveis e brinquedos. Certifique-se de que o ambiente do bebê seja seguro para esta fase, que, a princípio, inclui caminhar para o lado e depois andar para a frente e girar o corpo. Depois de um tempo, o bebê vai aventurar-se a ficar em pé sozinho, sem suporte. Agora, ele está pronto para começar a andar e passar para a próxima fase – ser uma pequena criança que já caminha.

 

 

Qual é a relação entre as várias áreas de desenvolvimento e qual é o papel dos pais durante todo este fascinante processo?

 

  • Cognição

 

Habilidades cognitivas são os processos mentais através dos quais nós entendemos o mundo. Compreender os estágios do desenvolvimento cognitivo ajuda a guiar seu pequeno pela maravilhosa aventura do aprendizado.

Os bebês começam a perceber a estrutura da linguagem que ouvem muito antes de começarem a pronunciar sílabas ou produzir suas primeiras palavras. Uma pesquisa mostra que, ao nascerem, as crianças distinguem entre a voz de sua mãe e as vozes de outras pessoas; por volta dos 4-6 meses, os bebês olham as bocas dos adultos quando eles os seguram cara a cara e falam com eles; por volta dos 8-10 meses, os bebês podem diferenciar entre sua língua nativa e uma língua que nunca ouviram antes. Além disso, nessa idade, os bebês respondem de forma diferente a uma lista de palavras reais em sua língua nativa, contra uma lista de não-palavras que são formadas por sons reais na sua língua materna.

 

  • Inteligência Emocional

 

A inteligência social e emocional tem uma profunda influência no sucesso da vida adulta. Entender os básicos da IE ajuda os pais a encorajarem o desenvolvimento emocional ideal do bebê e criarem uma base saudável para o crescimento e o aprendizado.

Olhar nos olhos é um dos primeiros marcos alcançados pelos bebês, e é especialmente emocionante! Ele permite que os pais saibam que seu bebê finalmente “os vê”, que eles são importantes e reconhecidos. Quando os olhos dos pais e dos bebês se encontram, acontece algo muito especial. É estabelecida uma conexão emocional. O olhar trocado entre pais e filhos é uma experiência compartilhada que transmite informações sobre interesses e ligações recíprocas, bem como troca de sentimentos através de gestos, expressões faciais e sorrisos.

 

  • Coordenação Motora Fina

 

A coordenação motora fina diz respeito aos músculos da mão, da palma aos dedos, bem como àqueles ao redor da boca e dos olhos. À medida em que o bebê cresce, é importante certificar-se de que sua coordenação se desenvolva em sincronia com sua maturidade física e emocional.

Depois de descobrir as próprias mãos os bebês aprendem que podem usá-las! Pendure brinquedos ligeiramente fora do alcance para que o bebê tente pegar e assista-o se divertir enquanto pratica atividades essenciais. Se os bebês conseguissem exprimir o que significa para eles a grande experiência de tentar alcançar e bater em um brinquedo colocado em seu raio de visão e ação, talvez eles dissessem algo assim: “Ei, será que estou mesmo fazendo tudo isso? Será que minhas mãos têm mesmo o poder de fazer algo tão maravilhoso? Acho que vou tentar de novo!”. A coordenação entre mãos e olhos estabelece-se finalmente quando os bebês conseguem levar as mãos exatamente aos objetos que estão olhando.

 

 

  • Coordenação Motora Geral

 

A coordenação motora geral diz respeito aos músculos que controlam funções menos delicadas de nosso corpo como se sentar, engatinhar, andar e outros.

Habilidades menos delicadas que envolvem os grupos de músculos maiores são ótimas recomendações para incentivar seu pequeno durante essa fase. Dançar, brincar, erguer objetos, puxar e empurrar são apenas algumas das atividades que fortalecerão os músculos do bebê e o prepararão para atividades mais complexas como subir e descer escadas, pular, praticar esportes e muito mais!

 

  • Imaginação & Criatividade

 

A imaginação é a habilidade de produzir imagens, ideias, pensamentos e até sentimentos não perceptíveis pelos sentidos. A criatividade é o processo de transformar a imaginação em realidade e improvisar, tomar a iniciativa e resolver problemas.

Os pensamentos do bebê durante o primeiro ano são concretos, diretamente conectados aos sentidos e aos objetos por eles percebidos. O psicólogo cognitivo Jean Piaget descreveu tal característica como “pensamento sensório-motor”, o pequeno apanha objetos e os explora através de seus sentidos. Ele olha, ouve, toca, sente o cheiro e o gosto das coisas. Posteriormente, ele conduzirá outros experimentos, amontoando materiais diferentes, jogando e derrubando coisas etc.

À medida que o fim do primeiro ano se aproxima, os primeiros traços de imaginação aparecem, começando pela imitação. De início, a imitação limita-se a atos concretos, como falar ao telefone ou pentear o cabelo. Após algum tempo, o jogo torna-se mais simbólico: um chocalho pode ser o telefone, e uma colherinha, o pente. Depois, finalmente, o pensamento tornar-se-á mais abstrato, dando conta de situações fictícias e envolvendo outras crianças em suas tramas imaginárias, com jogos mais longos, complexos e dissociados da realidade empírica.

 

  • Linguagem & Comunicação

 

A linguagem e outras formas de comunicação nos permitem compartilhar ideias, pensamentos e sentimentos.

Os bebês tendem a balbuciar mais quando os adultos estão ao redor. Muitos meses antes de proferir sílabas ou palavras, eles são capazes de sustentar “conversas” com os adultos muitas vezes. Nessas conversas, ambos aguardam sua hora de falar. O bebê imita frequentemente os sons que o adulto produz e o adulto imita frequentemente os sons que o bebê está fazendo.

Ao falar com o seu bebê abra mão da ‘vozinha’ e use linguagem natural, gramaticalmente correta. Use frases simples que descrevam ações e não simplesmente rotule objetos. Os bebês têm a incrível habilidade de segmentar sentenças que ouvem, e essa habilidade os ajuda a construir sua futura linguagem. A leitura de livros além de incentivar o desenvolvimento da fala promove também a criatividade e imaginação, além de fortalecer o vínculo com o pequeno.

 

  • Sentidos

 

Através dos cinco sentidos, nós recebemos e processamos as informações do ambiente ao nosso redor. Eles abrem uma nova perspectiva para o mundo e ajudam a expandir o alcance de nossa compreensão.

Cada pessoa tem diferentes níveis de sensibilidade ao estímulo, ou seja, a sua experiência própria do mundo e de tudo o que se passa nele. Algumas pessoas são muito sensíveis a sons, cheiros, gostos, visões ou toque, enquanto outras são menos sensíveis, deixando algumas coisas apenas passar por eles. Por exemplo, alguns bebês precisam de mais estímulo para prestarem atenção em algo enquanto outros não lidam bem com este ‘excesso’.

Isto significa que alguns bebês ficarão fascinados por brinquedo com músicas música e luzes brilhantes, enquanto outros bebês poderão achar o brinquedo irritante e evitá-los. É missão dos pais trabalharem com a tendência natural do bebê e regular o nível de estímulo oferecido de acordo com ela para acima de tudo, ajudar a tornar a experiência do mundo para a criança mais divertida e satisfatória.

Nos primeiros três meses, o sistema sensorial do bebê está pronto para operar, mas ainda muito imaturo. Pode ser muito difícil entender o que seu bebê realmente precisa nesta fase, mas é importante ser sensível e atento às pistas do bebê. Entre outras coisas, isso ajudará o seu pequeno a estabelecer a autorregulação. Com o tempo, o bebê pode virar a cabeça para longe se um certo tipo de estímulo é demais. Confie na sugestão do bebê, desta forma, ele desenvolverá ainda mais a autorregulação. Por volta dos 6 meses a experiência sensorial única do bebê no mundo torna-se aparente. Agora os pais podem entender melhor o bebê e ver se ele tende a procurar por estímulo ou evitá-lo. Esta familiaridade com as tendências naturais do bebê vai ajudar a ajustar o nível de fluxo de estímulo, aumentando ou reduzindo conforme as necessidades e tendências do bebê.

A Tiny Love se dedica à criação de soluções inteligentes que apoiem o desenvolvimento dos bebês enquanto eles se divertem, ao mesmo tempo em que atendem às necessidades e preocupações dos pais. Do nascimento aos 24 meses nossos premiados e criativos produtos maximizam o potencial de desenvolvimento, acompanham o crescimento do bebê & incentivam os pais a desfrutarem de horas de diversão com seus filhos.

 

 

A jornada que se inicia com a chegada de um bebê se estende para muito além do primeiro ano, mas estes doze primeiros meses são essenciais para construir uma base sólida para todas as novas e diversas aventuras que estão pela frente! Se você chegou até aqui, já deu dois grandes passos em direção ao desenvolvimento ideal do seu pequeno, o interesse & a curiosidade. Não deixe de aproveitar cada pequeno momento!

Conheça todos os produtos Tiny Love e saiba o porquê ela é a marca número um em brinquedos que promovem o desenvolvimento infantil, você também pode nos encontrar nas principais redes sociais como @tinylovebrasil.

Para mais conteúdo sobre maternidade & saúde fique ligado no Canal K.